Arquivos
 10/08/2014 a 16/08/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 27/10/2013 a 02/11/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 29/07/2012 a 04/08/2012
 01/05/2011 a 07/05/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 10/01/2010 a 16/01/2010
 27/12/2009 a 02/01/2010
 13/12/2009 a 19/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 29/07/2007 a 04/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007

Votação
 Dê uma nota para meu blog



Blog de montgomeryvasconcelos
 


Como se faz análise de pressupostos III de "Brasil, o signo da corrupção"

Análise de pressupostos III sobre Brasil, o signo da corrupção

O Jornal do Brasil numa terça-feira, a 27 de julho de 2004, p.A2, publica a matéria-bomba “Um rombo de R$11,9 bilhões” como arrecadação recorde da Previdência, mas que não impediu déficit de R$12 bilhões só no primeiro semestre de 2004, superando assim os R$10,3 bilhões no mesmo período de 2003. Corrupção esta desse mesmo governo atual, que se deixa facilmente, e de forma intrigante, seduzir pelo canhestro “canto da sereia” do poder corrupto. Além ainda de sua inescrupulosa “fogueira das vaidades”, queimando o dinheiro do povo, que vão desde churrascos, e gestos de nepotismo exacerbado aos amigos pessoais, e de foro íntimo, convidados às temporadas de lazer nas dependências oficiais do presidente Lula, à custa do erário público. Há até desfrutes megalômanos como o “AeroLula”, um avião de luxo, com banheira extravagante e outros atributos supérfluos, custando à nação a fortuna descabida de US$ 57 milhões de dólares, vaidade que causaria inveja à rainha de Sabá.

A Folha de S. Paulo na sexta-feira, 30 de julho, de 2004, em sua capa e na página B5, também, após trazer à tona inúmeras denúncias que já somam mais de mil registros na internet, uma vez mais estampa em suas manchetes escândalos recentes no entorno dos casos Meirelles, Candiota e Casseb, dirigentes do Banco Central e Banco do Brasil. Dentre tantas chamadas de escândalos acentua a corrupção do presidente do Banco Central (Henrique Meirelles) e seu diretor de política monetária (Luiz Augusto Candiota) e Cássio Casseb, presidente do Banco do Brasil. Esses três dirigentes são apontados em crimes de corrupção em matérias como “Papéis revelam conta omitida por ex-diretor” de política monetária do BC, que tinha conta no Citibank-EUA, e movimentou US$ 1,02 milhão de dólares entre 2001 e 2002 sem declarar à receita, além de omitir outras contas, conforme declaração do Ministério Público de Nova Iorque ao Ministério da Justiça, ao Ministério Público Federal e à CPI do Banestado.

São Paulo, 17 de março de 2007.

Prof. Dr. Montgomery Vasconcelos

(Presidente da Fundação Científica Reis de Leão e Astúrias)



Escrito por montgomeryvasconcelos@bol.com. às 02h09
[] [envie esta mensagem
]





Como se faz a continuação de Análise de pressupostos II sobre "Brasil, o signo da corrupção"

Continuação: Análise de pressupostos II sobre Brasil, o signo da corrupção

5ª. Veja edição 1864, ano 37, nº 30, São Paulo, Editora Abril, 28 de julho de 2004, pp.34-35, 42-49, 50-54, 84, 109 com destaque de capa e matérias internas para os temas “Dilma Rousself: A senhora ‘Marco Regulatório’ ” – “Guido Mantega 2” – “Gilberto Gil 2” – “Cinco Novas Universidades” – “Trincheira contra os impostos - Sobra pouco dinheiro porque o governo fica com quase tudo: 65,7% da renda familiar” – “Um negócio de espiões: Disputa comercial entre empresas de telefonia resvala para a espionagem corporativa que acabou monitorando contas bancárias e bisbilhotando a vida de gente em altas posições no governo” – “Armadilhas do poder” – “Perde, Brasil: ‘Usar dinheiro público para patrocinar o time de voleibol a gente engole. Para patrocinar a torcida é demais. O Banco do Brasil irá gastar 9,5 milhões de reais para patrocinar a torcida brasileira nas Olimpíadas. O jeito é torcer contra nossos atletas.’ ”;

6ª. Veja edição 1865, ano 37, nº 31, São Paulo, Editora Abril, 4 de agosto de 2004, pp.38-40, 46-47, 48, 167 com destaque de capa e matérias internas para os temas “Banco Central: mais um embaraço para Meirelles” – “Meirelles na mira: ‘A Empresa Meirelles e o contrato da Catenária: o presidente do BC não informou à Comissão de Ética Pública do governo federal a criação da firma, que ocorreu após sua indicação ao cargo.’ ” – “Uma cena triste: ‘Lula desfila em carro aberto ao lado de ditador africano acusado de roubar vários milhões de dólares de seu país’ ” – “Estava tudo errado: TCU pede que ONG de petista devolva dinheiro ao governo, 19 milhões de reais: O Tribunal de Contas da União divulgou, na semana passada, o resultado de dois meses de investigações sobre a Ágora, a ONG que pertence ao empresário Mauro Dutra, amigo do presidente Lula.” – “Brasil, cúmplice de um crime: ‘Lula foi à África. De novo. Assinou acordos para o plantio de mandioca com o ditador do Gabão. Deveria ter aproveitado a viagem para condenar o regime genocida do Sudão. Preferiu falar sobre maracatu.’ ”;

7ª. Veja edição 1866, ano 37, nº32, São Paulo, Editora Abril, 11 de agosto de 2004, pp.9, 42-49, com destaque de capa e matérias internas bombásticas para os temas “ ‘Denúncias contra Henrique Meirelles’ – ‘Tem salvação?’ – ‘Por que o governo do PT não abandona o presidente do BC aos tubarões’ ” – “Promoção a povo” – “ ‘A precária situação de Henrique Meirelles’ – ‘Muito além da crise: na conta dos doleiros 50 mil dólares’ – ‘A Receita não sabia: Meirelles dono da empresa Catenária desde outubro de 2003’ – ‘Uma mala de dinheiro: primo de Meirelles preso com 32 mil reais’ – ‘Terreno por 1 centavo: Meirelles comprou terreno e registrou em cartório por 1 centavo de real’ – ‘O tamanho da fortuna: Meirelles declara à Receita Federal patrimônio de 96 milhões de reais e à Justiça Eleitoral declara 45 milhões de reais, omitindo 51 milhões de reais’ ”.

São Paulo, 17 de março de 2007.

Prof. Dr. Montgomery Vasconcelos

(Presidente da Fundação Científica Reis de Leão e Astúrias)



Escrito por montgomeryvasconcelos@bol.com. às 02h03
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]