Arquivos
 10/08/2014 a 16/08/2014
 06/04/2014 a 12/04/2014
 27/10/2013 a 02/11/2013
 16/06/2013 a 22/06/2013
 29/07/2012 a 04/08/2012
 01/05/2011 a 07/05/2011
 12/12/2010 a 18/12/2010
 14/11/2010 a 20/11/2010
 10/10/2010 a 16/10/2010
 08/08/2010 a 14/08/2010
 11/07/2010 a 17/07/2010
 04/07/2010 a 10/07/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 28/03/2010 a 03/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 31/01/2010 a 06/02/2010
 10/01/2010 a 16/01/2010
 27/12/2009 a 02/01/2010
 13/12/2009 a 19/12/2009
 29/11/2009 a 05/12/2009
 22/11/2009 a 28/11/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 01/11/2009 a 07/11/2009
 25/10/2009 a 31/10/2009
 27/09/2009 a 03/10/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 09/08/2009 a 15/08/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 03/05/2009 a 09/05/2009
 22/03/2009 a 28/03/2009
 15/03/2009 a 21/03/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 11/01/2009 a 17/01/2009
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 26/10/2008 a 01/11/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 07/09/2008 a 13/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 29/07/2007 a 04/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007

Votação
 Dê uma nota para meu blog



Blog de montgomeryvasconcelos
 


Professor concursado em 1º lugar-1991 à UFMS, doutor em Comunicação e Semiótica/PUC-SP, presidente da FUCIRLA-SP, denuncia sentença sem valor de mercado e à luz de falsificações no Foro João Mendes/SP

ENTENÇA À LUZ DE FALSIFICAÇÕES NO FORO CENTRAL/SP

Sentença sem valor de mercado, à luz de falsificações e à revelia da Lei 8009/90, proferida por LAURA DE MATTOS ALMEIDA, Juíza de Direito da 12ª Vara Cível do Foro Central/SP, indefere embargos contra arremate com lance vil contradito ao seu próprio Edital. Afinal, é Foro Central ou é Foro Íntimo? Conselho Nacional de Justiça/CNJ, cadê você? Ei-la:

Poder Judiciário

São Paulo

Comarca de São Paulo

Processo nº 09.188717(1975) – 12ª Vara Cível – 1

VISTOS.

MONTGÔMERY JOSÉ DE VASCONCELOS opôs embargos à arrematação contra CONDOMÍNIO EDIFÍCIO MORADA EDUARDO PRADO E JOSÉ FÁBIO AGUIAR, alegando, em síntese, que a arrematação levada a efeito pelo segundo, nos autos da execução que lhe move o primeiro, não pode subsistir, diante do pagamento integral da dívida, da nulidade da intimação da penhora e da caracterização do preço vil.

O exeqüente e o arrematante apresentaram impugnações (fls.506/510 e 513/517), pugnando pela improcedência dos embargos, diante da validade dos atos processuais praticados e da regularidade da arrematação.

Houve réplica (fls. 519/521)

É o relatório.

Fundamento e DECIDO.

Independentemente de sua tempestividade, os presentes embargos são improcedentes.

As assertivas do combativo causídico do embargante não vingam.

Trata-se de ação de cobrança de condomínio em fase de execução da sentença de fls. 124/127 dos autos principais.

Publicada a sentença em 01 de fevereiro de 2006 (certidão de fls. 128/ v º), os então advogados do embargante protocolizaram petição em 13 de fevereiro de 2006 informando sua renúncia ao mandato e comprovando a notificação do constituinte (fls.129/132). Seguiu-se a intimação pessoal do embargante, por via postal, para constituir novo advogado em dez dias (fls.134, 143 e 146/147).

Diante da entrada em vigor da Lei nº 11.232/05 houve intimação do executado, na pessoa de seu advogado, para os fins do art. 475-J do Código de Processo Civil (cf.fls.194). Decorrido o prazo para pagamento espontâneo da condenação, sobreveio a penhora de fls.203, da qual o executado foi intimado pela imprensa oficial, também na pessoa de seu advogado, nos termos do parágrafo 5º do art. 659 do Código de Processo Civil.

Não há nulidade a ser reconhecida. Com efeito, como já exposto, o embargante teve ciência inequívoca da renúncia de seus advogados e foi intimado pessoalmente a regularizar sua representação processual, porém quedou-se inerte. Aplica-se, pois, à hipótese, o disposto nos artigos 13, II, e 322 do Código de Processo Civil.

Se não bastasse, após a realização da primeira praça designada para a alienação do imóvel penhorado, o executado e ora embargante compareceu aos autos, representado por um dos advogados que anteriormente havia renunciado, apresentando os “Embargos de Execução por Excesso de Execução” de fls. 367/370.

Na referida manifestação não foi alegada qualquer nulidade dos atos processuais, aplicando-se, pois, ao caso, o disposto no art. 245 do Código de Processo Civil.

Não há que se falar em extinção do pagamento pela quitação integral da dívida ou remição com o depósito de fls. 489, pois já houve arrematação do imóvel.

Outrossim, em face da conclusão do laudo de fls. 243 dos autos principais, a adução de alienação do imóvel por preço vil não prospera, pois superior a 50% do bem telado (fls. 514).

Pelo exposto, julgo IMPROCEDENTES os embargos, condenando o embargante ao pagamento das custas e despesas processuais, bem como aos honorários advocatícios da parte contrária, que fixo em 10% sobre o valor da arrematação. Todavia, por ser o vencido beneficiário da justiça gratuita, as verbas de sucumbência só poderão lhe ser cobradas na hipótese e no prazo do art. 12 da Lei nº 1.060/50.

P.R.I.

São Paulo, 07 de dezembro de 2009.

LAURA DE MATTOS ALMEIDA

Juíza de Direito

Meritíssima, pela ordem pátria!

A regência verbal, a colocação pronominal e o emprego do adjetivo comum de dois gêneros [lições de gramática no 1º grau, ensino primário] de vossa sentença, em o seu parágrafo último, cometem erro crasso à sintaxe do idioma pátrio, a saber:

só poderão lhe ser cobradas”

O correto é:

só lhe poderão ser cobradas...

Meritíssima, pela ordem e lei!

Os autos, três volumes, contendo mil páginas aproximadamente, estão eivados com documentos falsos, contendo falsificações grosseiras e criminosas de minha assinatura, conforme vi pela vez primeira a 6/1/2010, quarta-feira, a saber:

Vol. I (fls.143-147 e 183/198) AR, documento que jamais emiti, nem tampouco assinei, constando falsificação grosseira de minha assinatura, que ensejou o maior crime de falsificação judicial nos autos supracitados. Haja vista que essas falsificações de altíssima periculosidade são as únicas fundamentações da tese de embuste ensejando MANDADO DE PENHORA E DE AVALIAÇÃO criminoso, aos quais providenciarei apuração à altura, fique certa disso! Bem como o Foro Central/SP, pois constato crime organizado nessas trapaças judiciais e falcatruas na lei! Todavia, lamento imensamente pelo que lhe fizeram cometer erros e injustiças tão irreversíveis, conforme vossa própria sentença: “Não há que se falar em extinção do pagamento pela quitação integral da dívida ou remição com o depósito de fls. 489, pois já houve arrematação do imóvel.” Veremos o que dizem outras instâncias! Preparem-se, daqui pra frente vai ser diferente, agradeço às falsificações vossas!

Meritíssima,

Não bastasse explicar vossa sentença à revelia da Lei 8009/90 por meio do abuso de autoridade e abuso de poder, constatados já como perseguição política pelos acintes inequívocos e perversos, que aí estão, ainda me vem com transgressão gramatical! Vossa transgressão gramatical é proposital, é licença poética ou é ignorância? O valor de mercado do imóvel é R$ 143mil, R$ 140mil [Cf. C.imóveis,dom., 29/11/2009, p.12, Folha de S. Paulo] jamais R$ 66.099,00 mil.

São Paulo, 8 de janeiro de 2010.

PROF. DR. MONTGÔMERY JOSÉ DE VASCONCELOS

(Concursado em 1º lugar desde 1991 à Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/UFMS)



Escrito por montgomeryvasconcelos@bol.com. às 09h43
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]